Xenofobia ou provocação? Polêmica ganha força no futebol em 2018

Provocação ou preconceito? Após o último clássico mineiro, vencido pelo Cruzeiro por 2 a 0 contra o Atlético, partida que assegurou a 37ª taça do estadual para a raposa, o lateral direito celeste Edílson causou polêmica em declaração para o canal ‘’Sportv’’, quando se referiu ao meia-atacante da equipe alvinegra, Rómulo Otero. ‘’Quem é Otero? Seleção Venezuelana, não é p… nenhuma’’, disse o jogador do Cruzeiro. Imediatamente no momento desta entrevista, as redes sociais foram tomadas por comentários relacionados a este episódio. Para muitos, houve  xenofobia na fala do atleta; Para outros, foi apenas mais uma provocação normal existente no esporte. Otero não se pronunciou sobre o assunto.

O estudante André Rocha, torcedor do Atlético, deu sua opinião: ‘’Eu acho que houve xenofobia. Ele usou a nacionalidade do adversário para rebaixá-lo, por mais que não tenha criticado diretamente a Venezuela. Creio que ele tentou falar que pelo fato do Otero ser venezuelano, ele não representa nada no futebol.’’ Já João Vitor Costa, torcedor do Cruzeiro, discorda que houve maldade no comentário do lateral: ‘’Foi em um tom provocativo ao Otero e somente a ele, porém foi levado para o lado de que o Edilson menosprezou o povo venezuelano, sendo que, na verdade, ele quis fazer alusão a fraca seleção venezuelana de futebol, que é onde o meia do Atlético joga.’’

A xenofobia, para quem não sabe, é caracterizada como uma forma de preconceito contra uma raça, cultura, hábito ou religião. Também pode ser caracterizada como uma doença, um transtorno psiquiátrico. Recentemente, em março, o atacante do Corinthians Ángel Romero, que é paraguaio, também alegou ter sido vítima da xenofobia, por ser estrangeiro. Após o empate da sua equipe na ocasião contra o Santos, por 1×1 no Pacaembu, Romero disse que a equipe rival era um ‘’time pequeno’’. O comentário rendeu várias críticas ao paraguaio, principalmente por parte da imprensa brasileira e por torcedores santistas.

No dia seguinte desta partida, o jogador deu um forte pronunciamento na sala de imprensa do CT corintiano. ‘’Quando vocês falam da minha nacionalidade, do meu país, da onde eu nasci, eu não vou permitir. Foi por essa razão que deixei um ano de falar com a imprensa, porque realmente, assim como vocês se sentiram ofendidos ontem, eu estou me sentindo assim há 4 anos!’’ E acrescentou, sem citar nomes novamente: ‘’Não teve um  que criticou apenas o que eu disse. Sempre acrescentaram que a minha seleção tem menos troféus que o Santos, o que não tem nada a ver. Que critiquem a mim, mas que deixem o meu país fora disso.’’ Na partida seguinte da equipe paulista, que ocorreu no dia 11/03 contra o Botafogo SP, em Ribeirão Preto, o clube exibiu a frase #XenofobiaAquiNão no espaço que é geralmente destinado ao patrocínio máster da camisa. Além disto, nas redes sociais da equipe, foi divulgado um vídeo contra a xenofobia no futebol, com imagens de jogadores estrangeiros que passaram pelo time.