Skate e deficiência visual: atleta impressiona com seu talento

A deficiência física é tratada como incapacidade por muitas pessoas porém, Daniel Mancina pensa diferente. O americano descobriu que perderia a visão muito cedo, mas esse fato não abalou sua paixão por andar de skate. A doença que o deixaria cego aos poucos, o fez superar seus limites tanto que hoje, aos 29 anos, Daniel impressiona com tamanha habilidade.

Habilidade e força de vontade regem Daniel (Foto: Reprodução/Globo Esporte)

Em entrevista ao globoesporte.com Mancina fala sobre suas dificuldades “Antes, tinha dificuldade apenas à noite, mas andava normalmente de skate. Nos últimos cinco anos, porém, quando perdi toda a visão do olho esquerdo e a maioria do direito, parei. Só voltei nos últimos dois anos. No ano passado, resolvi levar a sério e me senti mais confortável, mas ainda é assustador como o inferno. Só que acredito que sou uma inspiração. Eu mostro que podemos fazer mais na vida. Eu forço as pessoas a se perguntarem qual é a desculpa que os retém. Essa é uma das partes favoritas, saber que posso inspirar outras pessoas me dá motivação e traz a paixão que eu tinha perdido quando fiquei cego”.

Ele comenta também sobre o tratamento diferente das pessoas “As pessoas me tratam diferente. As pessoas pensam que sou menos capaz, mas é leve em comparação com outras pessoas com deficiência e grupos étnicos, então eu não posso reclamar muito. É por isso que faço o que faço, e de forma dura, me cobrando, para fazer o possível para mudar a visão que os outros têm dos cegos e de si mesmo”.

CURIOSIDADE RA:

  • No início de 2017 ele foi finalista do prêmio “Holman Prize”, que homenageia os feitos incríveis de quem tem deficiências visuais.

 

Para ver a matéria completa acesse aqui

Matheus Capanema

É estudante de Jornalismo. Atua como repórter, apresentador e cinegrafista.