Políticos mineiros participam das manifestações

Imagens: Alexa Simon

O centro de Belo Horizonte, nesta sexta-feira 28, ficou tomado por manifestantes que aderiram à Greve Geral. Várias vias na cidade foram interditadas, e as diversas concentrações de manifestantes se encontraram na Praça Sete. Segundo a CUT, 100 mil pessoas participaram dos protestos. Já a Polícia Militar não divulgou estimativas. Dente essas milhares de pessoas, alguns políticos marcaram presença e falaram com a repórter do Roteiro Alternativo, Alexa Simon.

Patrus Ananias, Deputado Federal e ex-prefeito de Belo Horizonte, do PT, declarou:

“Todas as conquistas sociais que nós tivemos estão sendo desconstituídas. Nós tivemos a entrega do pré-sal, tivemos a PEC 241 na câmara, PEC 55 no senado infelizmente aprovada e hoje a emenda constitucional 95 que congela o Brasil por 20 anos. Congela os programas e as políticas publicas sociais, assina a sentença de morte de programas sociais internacionalmente reconhecidos como o Bolsa família. Alem de congelar investimentos na educação, na saúde, na assistência social, congela também o Brasil porque congela investimentos também no setor de desenvolvimento tecnológico, cientifico, da pesquisa. Um país como o nosso que precisa crescer, compromete por tanto a soberania nacional. Temos agora, a reforma trabalhista que não é reforma, é uma desconstituição do direito do trabalho no Brasil, que vai aumentar muito a insegurança jurídica, na medida em que precariza as relações de trabalho, estimula o trabalho temporário, as terceirizações. E isso certamente não é bom para as empresas, porque as empresas precisam de estabilidade e trabalhadores motivados, dignamente remunerados, capacitados. Nós estamos investindo no contrário, no trabalho precarizado e por tanto nós não estamos investindo em uma formação profissional das classes trabalhadoras. Estamos também, com a reforma da previdência, que também não é reforma, é uma desconstituição dos direitos previdenciários, incidindo sobretudo sobre a classe média assalariada que a rigor é quem mantem o Brasil. (…) Portanto eu acho que uma manifestação como essa, manifestação pacifica, não violenta, democrática, é fundamental que as pessoas de bem e não necessariamente as pessoas de BENS, as pessoas de boa vontade, as pessoas que realmente amam o Brasil, nosso povo, a nossa gente especialmente os mais sofridos, é fundamental que nós estejamos juntos nas ruas para superarmos esse momento triste da história brasileira.”

É fundamental que nós estejamos juntos nas ruas para superarmos esse momento triste da história brasileira”, declarou Patrus.

Gilson Reis, vereador em Belo Horizonte pelo PCdoB, afirmou:

“Eu penso que esta greve é uma greve que abre um novo periodo histórico no Brasil. Pela avaliação que nós temos, é a maior greve na história do país, parou o Brasil todo, parou a produção, em alguns lugares com radicalidade. E o que nós temos diante de nós, é a necessidade de reorganizar o amanhã, Na perspectiva de construir e manter a unidade da classe trabalhadora, da sociedade, em cima de uma agenda política. Primeiro é dizer que não aceitamos a reforma da previdência, a reforma do trabalho, e segundo dizer que a democracia do Brasil foi ferida, e que a única forma de resgatar a democracia, é construir e chamar as eleições gerais no Brasil. Então são três as lutas: Unidade, contra as reformas e pela retomada da democratização no Brasil.”

 

Primeiro é dizer que não aceitamos a reforma da previdência, a reforma do trabalho, e segundo dizer que a democracia do Brasil foi ferida, e que a única forma de resgatar a democracia, é construir e chamar as eleições gerais no Brasil”, declarou o verador Gilson Reis

 

 

Saiba mais sobre a interdição de vias em BH e rodovias mineiras, aqui.

Celso Lamounier

É estudante de Jornalismo e Relações Públicas. Idealizador do projeto e membro fundador, atua como repórter, editor e integra a diretoria executiva.