O aumento dos preços do combustível e o impacto em todo o país

(Foto: Portal das Gerais)

Não é de hoje que o assunto “aumento de preços” está provocando certo incômodo no cidadão brasileiro, principalmente quando se trata de um assunto que poderá afetar o cotidiano. Uma das principais situações que provam o reflexo desse aumento abusivo é a greve dos caminhoneiros, que tem como principal reivindicação a queda do preço do óleo diesel e a  contínua variação dos preços dos combustíveis. A mobilização da greve dos caminhoneiros tem causado grande apreensão nas pessoas de que os combustíveis acabem nos postos, dessa forma os locais tem ficado com filas imensas, clientes revoltados e caos nas cidades de todo o país.

De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Minas Gerais (MinasPetro) cerca de 40% dos postos de Minas já apresentam falta de combustíveis. Em nota ao Jornal Estado de Minas o MinasPetro afirma que a “alta nos preços, que tem ocorrido com a busca incessante dos motoristas por combustível, é de responsabilidade dos comerciantes.” Além disso, afirma que os donos de postos não devem incentivar a população à uma corrida aos postos.

A Petrobras também se manifestou, alegando que “seguem uma política de preços independente do governo e vinculada  ao preço do dólar e ao custo do barril  de petróleo no mercado internacional.” Além disso, ainda têm taxas incidentes nos combustíveis como a  Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e as contribuições para o PIS/PASEP e Cofins.

O aumento no preço dos combustíveis também afeta a sociedade de maneira indireta. O preço dos alimentos elevou-se também no CEASA devido à greve dos caminhoneiros, que está “barrando” caminhões e veículos de grande porte nas estradas. Os alimentos que vêm de outros estados como a batata, a cebola e a cenoura são os que estão ficando em falta mais rápido. Outro aspecto importante é a variedade do cardápio de alguns restaurantes, que pode ser prejudicada devido aos caminhões que não estão chegando com as mercadorias.

Nesta semana, a Petrobras anunciou uma redução de 2,08% no preço da gasolina nas refinarias, porém os preços continuam altos nos postos, causando grande revolta nos consumidores e manifestações em todo o país.