Entenda o movimento “342 Agora”

O processo de impeachment de Dilma Rousseff e a tentativa do atual presidente, Michel Temer, de extinguir o Ministério da Cultura (MinC) uniu a classe cultural do país. Ocupações de prédios e grande shows marcaram os protestos contra as novas medidas. Grandes nomes da música nacional foram protagonistas do movimento, como Caetano Veloso, Criolo e Tico Santa Cruz.

O cineasta João Batista Andrade (PPS) foi o terceiro a ocupar o cargo de Ministro da Cultura, mas deixou o MinC no último dia 2o. E quem ocupou seu lugar foi Sérgio Sá Leitão, jornalista carioca, como quarto titular da pasta em 14 meses.

Depois de mais de um ano de governo peemedebista, os grupos culturais se articularam no “342 Agora”, movimento que tenta, através da pressão popular, abrir um novo pedido de impeachment, desta vez, para Temer.


Leia mais em: Mobilização pelas eleições diretas mobiliza artistas 


A reacomodação de forças coloca lado a lado pesos pesados da Globo e remanescentes do coletivo Fora do Eixo. Adriana Esteves, Camila Pitanga, Daniel Filho, Dennis Carvalho, Fábio Assunção, Fernanda Lima, Gloria Pires, Leticia Sabatella, Natália do Vale, Renata Sorrah, Tonico Pereira, Wagner Moura são alguns dos nomes que participam da divulgação da causa.

Com plataforma online, o 342 Agora (número referente à quantidade de deputados), “é o resultado de diversos encontros e reuniões da classe artística e de formadores de opinião, que se unem nesse momento para pressionar a investigação sobre o presidente Michel Temer”, segundo a biografia.

Alexa Simon

É estudante de Jornalismo. No Roteiro Alternativo é responsável pela produção de conteúdo e manutenção do site.