Centro de BH pode ganhar novos banheiros

Resultado de imagem para praça sete bh
(Breno Pataro/ PBH)

Mais de 1,5 milhões de pessoas, seja para trabalhar, estudar, resolver problemas ou até mesmo a passeio, passam pelo hipercentro de Belo Horizonte todos os dias. Foi pensando nisso que o vereador Catatau (PSDC) propôs o projeto de Lei 72/2017, que prevê a instalação de banheiros químicos nas áreas mais movimentadas como Praça Sete, Praça da Estação e a área da rodoviária.

De acordo com o vereador a medida busca, principalmente, gerar conforto e economia pra população, que por motivos diversos, frequenta e passa horas no coração da cidade. “O objetivo da proposta é prioritariamente socorrer os milhares de pessoas que acorrem ao centro da cidade e que por conta do deficiente transporte coletivo, passam horas e até o dia inteiro fora de seus lares resolvendo seus problemas. A medida além de proporcionar conforto, vai gerar economia para quem necessita utilizar o transporte coletivo, pois em regra, essas pessoas tem que pagar para fazer uso de banheiros no centro da cidade”, afirma o vereador.

Para o estudante Gabriel Oliveira, que mora na região, o benefício seria não somente pra população que passa pelo centro todos os dias, mas também para as pessoas em situação de rua. “Ter que fazer as necessidades fisiológicas na rua, no relento, deve ser bem incômodo, pra falar o mínimo, tanto pra quem faz quanto pra quem tá perto.  Acho que esse seria um outro ponto bem importante da instalação desses banheiros”, diz.

Ainda de acordo com o vereador, a manutenção, assim como a fiscalização desses banheiros, seria de responsabilidade da Administração Municipal por meio da Guarda Municipal e órgãos afins, que terão plenos poderes para coibir práticas delituosas. Para Gabriel esse é um dos pontos que mais precisa de cuidados “Tem que ver como vai ser feita a manutenção disso né, porque também não adianta só começar a iniciativa pra melhorar a higiene das pessoas, da cidade, e não manter isso”.

O projeto está pronto para ser votado no plenário da Câmara Municipal e se aprovado, a prefeitura terá 90 dias para regulamentar a Lei.

 

Chiara Ribeiro

É estudante de Jornalismo. Atua no Roteiro Alternativo como cooperado de mídias sociais e repórter.