Brasil na Rússia: o trajeto dos voluntários rumo a Copa do Mundo

A Copa do Mundo FIFA de 2018 começa no dia 14 de junho e acontecerá na Rússia, mas sua organização começa bem antes disso. A edição deste ano será a primeira realizada no Leste Europeu e a décima primeira realizada na Europa, depois de a Alemanha ter sediado o torneio pela última vez no continente em 2006. São onze cidades-sede que estão sendo preparadas para receber os jogos do torneio desde a escolha do país em 2010.

O comitê organizador da Copa do Mundo Fifa de 2018 recebeu um número recorde de inscrições no programa de voluntariado – 176.870 pessoas demonstraram interesse em trabalhar gratuitamente no evento. Entre os selecionados, estão voluntários de 112 países e mais de 90% são do país sede. A faixa etária dessas pessoas vai de 18 a 80 anos, incluindo uma avó e seu neto de acordo com o site da FIFA. Os voluntários prestarão apoio ao Comitê Organizador em 20 áreas, como serviços aos espectadores, cerimônias, transporte e imprensa.

A maioria dos voluntários é formada por mulheres (64%), e a aluna de jornalismo da PUC Minas, Ester Caroline, 20 anos, foi uma das selecionadas junto com outras 17,040 pessoas”. A estudante contou como foi o seu processo de seleção para o maior evento de futebol do mundo:

 

Como você soube do programa de voluntários da Copa de 2018?

Eu estava nos EUA em junho de 2016, trabalhando em um acampamento. Sempre falei muito sobre futebol e, por ser brasileira, as pessoas me perguntavam se eu havia sido voluntária na Copa de 2014. Nunca havia pensado nisso até então, e fui pesquisar no site da FIFA como funcionava o programa de voluntários. Sempre gostei de futebol, jogava com meus vizinhos e irmão e, apesar de não ter dinheiro na época da inscrição, resolvi tentar a sorte.

O curioso foi que eu havia cadastrado errado meu nome do Skype no portal da FIFA. Tentaram entrar em contato e não tiveram sucesso. Recebi um e-mail informando que estavam na última semana de seleção e que não haviam conseguido falar comigo e eu corri atrás depois disso. Acredito que estava destinada a ir.

Como funciona o programa de voluntários? O que é custeado pela FIFA?

A FIFA fornece o transporte interno do nosso hotel para o estádio em que trabalharemos e a alimentação durante o turno de trabalho. Deixam muito claro desde o princípio que a federação não se responsabiliza por nada. O hotel e as passagens aéreas são pagas pelo voluntário e ficamos isentos do visto por estarmos indo trabalhar no evento. O horário de trabalho ainda não foi enviado, mas o voluntário de mídia é considerado um voluntário VIP. Meu horário é indefinido, tenho que estar disponível sempre que precisarem.

Tenho feito treinamentos desde a inscrição.  No final de 2016, fiz prova de proficiência em inglês, providenciei o comprovante de matrícula da universidade, e preenchi o formulário com várias perguntas. Em 2017, começaram testes sobre cultura russa, história das cidades sede, futebol russo e até sustentabilidade. Precisei estudar sobre a construção dos estádios. Embora não seja difícil, é cansativo. Foram 75 testes no total. Acho que gostar de futebol faz muita diferença na escolha dos voluntários por causa das perguntas.

Já sabe em qual cidade você vai ficar?

Sim, chama-se Nihnzy Novgorod, é a cidade sede mais próxima de Moscou. São 3 horas de trem bala e não tem a agitação da capital russa.

Você imagina o motivo de ter sido escolhida entre tantas pessoas?

Sabia que gostavam de algo diversificado, pessoas de lugares diferentes. Eu me inscrevi para duas vagas em específico:

Ester Caroline, 20 anos, foi uma das selecionadas junto com outras 17,040 pessoas

setor de idiomas e operações de mídia. Apesar de estudar jornalismo, o site da FIFA informava que aqueles que se cadastravam nas vagas da área, tinham que ter a graduação completa. Me chamaram em dezembro de 2017, depois de muitos testes e fases de seleção. Fui descartada do setor de idiomas por não falar russo, e me ofereceram a vaga em mídia, que eu obviamente aceitei.

Minha equipe é responsável pelo compartilhamento das estatísticas dos jogos com os outros jornalistas, as coletivas de imprensa, divulgação de dados e a colaboração com a imprensa como um todo.

Como você está se preparando para a viagem? 

Meus amigos me compraram um dicionário russo, pois os russos ainda têm uma resistência ao inglês. Com a Copa do Mundo, acredito que ficará mais fácil, mas fora do horário de trabalho acho importante entender e falar russo, por isso já estou estudando. Fiz download do teclado russo no celular e aprendi a pronunciar meu nome, embora não saiba escrevê-lo ainda.

O Brasil tem grandes chances de ganhar o hexa na Rússia. Como você se sente sabendo que pode estar presente?

Estou emocionada e ansiosa. Fico animada e olhando datas e escalações. Tenho estudado muito mais sobre a seleção e, por saber o quanto isso pode ser marcante para história do futebol e para minha história pessoal, me emociono mais ainda. Sempre me interessei e acompanhei campeonatos. É muito bom pensar que algo que eu gosto tanto pode se tornar minha carreira.

Como pretende lidar com a proximidade com estrelas do esporte?

É proibida qualquer tentativa de autógrafo ou fotos. Você pode ser expulso do evento. Eu sou muito profissional e, apesar da vontade de tietar, não faria isso. Meu primeiro jogo é da Argentina, então terei a oportunidade de ver o Messi, um dos maiores jogadores do mundo, já nas primeiras semanas de trabalho e estou me preparando pra me controlar. Como meu trabalho é de operadora de mídia, tenho contato direto com os jogadores. Embora possa conversar e ter contato com os atletas e a comissão técnica, não posso tirar fotos.

O que espera do ritmo de trabalho e dessa experiência como voluntária?

Acredito que será intenso e já estou me preparando para isso também. Meu gerente de mídia já nos informou que haverá um teste físico quando chegarmos lá, além de treinamentos técnicos sobre microfone, posicionamento de câmeras para entrevistas e como lidar com a imprensa em um evento deste porte. Estou me preparando pra algo super pesado, mas sem receio algum. Sempre trabalhei, e tenho a certeza de que dessa vez será ainda mais gratificante.

Espero aprender bastante, acho que será a experiência da minha vida. Pensei muito se seria válido para minha carreira e abri mão de muita coisa e de oportunidades de estágio. Acho que vai ser muito bom, tanto no âmbito pessoal quanto profissional