A prática de balonismo no Brasil e em Minas Gerais

Passeio de balão em São Lourenço- MG.Foto: G1

Quem nunca sonhou em dar um passeio de balão como nos filmes, ou até mesmo viver a realidade de um dos principais cartões postais da Capadócia? Para quem pensava que realizar esse passeio encantador seria difícil de se concretizar, felizmente está muito enganado.

Atualmente, o balonismo promove vários eventos competitivos em todo o mundo. Mas aqui no Brasil, o destaque vai para a cidade de Torres, no Rio Grande do Sul. O local é considerado capital brasileira do balonismo e promove anualmente o evento “Festival Internacional de Balonismo de  Torres”, onde ocorrem competições de balão de diversas modalidades, além de atrair pilotos brasileiros e de várias outras nacionalidades.

Em Minas Gerais, os passeios de balão mais conhecidos, são os da cidade de São Lourenço. A região é considerada muito propícia a esta prática, tanto pelo clima, quanto por suas belas paisagens. O passeio sobrevoa a Serra da Mantiqueira e  se inicia no Parque das Águas, que é considerado cartão postal da cidade e atrai turistas do Brasil inteiro. No estado, o órgão regulador dessa prática é a Federação de Balonismo do Estado de Minas Gerais (FBEMG) que foi fundada em setembro de 2009 e tem como função maior  “assegurar que o balonismo seja um esporte 100% seguro, de forma que só se façam  voos  com o clima a nosso favor, sempre respeitando a mãe natureza e as normas da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC)”.

A entidade reguladora dessa prática no Brasil é a Confederação Brasileira de Balonismo (CBB). Apesar de ainda ser um território recente para a prática do balonismo, o Brasil possui paisagens encantadoras espalhadas por todo o seu território, o que faz com que os passeios de balão oferecidos em alguns estados atraiam visitantes de vários lugares do país e até do mundo.

PROVAS MAIS CONHECIDAS :

Caça à raposa: Um balão chamado de raposa decola em voo livre e ganha uma vantagem de dez minutos. Ao final desse tempo, o  juiz autoriza a decolagem dos demais competidores, que devem segui-lo. O “balão raposa” faz o possível para dificultar a perseguição e o ganhador da prova é o balão perseguidor que pousar mais perto dele ou lançar sua marca mais próxima.

Key Grab (prova da chave): Nesta prova é colocada a chave de um carro 0 km, fixada no alto de um mastro de 6 a 10 metros de altura do chão. Todos os concorrentes decolam de uma distância mínima de 3 quilômetros do local de onde está o mastro e o objetivo é, sem tocar no solo, apanhar com as mãos a chave do carro. Esta é a prova mais emocionante, pois os pilotos passam com os seus balões bem pertinho do chão para poder apanhar a chave.

Fly In: Os balões decolam fora da área do festival tentando jogar suas marcas o mais próximo possível de um alvo delimitado dentro da área do evento. Quem conseguir atingir a menor distância do seu alvo declarado, será o vencedor.

Fly out: Os competidores vão declarar seu próximo alvo em voo, escrevendo suas coordenadas na marca da prova anterior, e tentarão voar para o seu alvo. Quem conseguir atingir a menor distância do seu alvo declarado, será o vencedor.

Cotovelo: Nesta tarefa, o balonista decola, voa para um alvo, o atinge com a marca e depois, desviando o rumo, voa para um segundo alvo e joga outra marca. Ganha mais pontos o balonista que, nessa mudança de rumo, fizer um ângulo mais apertado.